• RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Exército

Ataques químicos na Síria

Por   Cel. Fernando Montenegro

Ao longo da história temos visto vários desdobramentos indesejáveis quando colônias ou Estados nacionais são subdivididos. Foi assim nas Américas, com o desmembramento dos Vice reinados e Capitanias; no Continente africano, ao iniciar as ondas de independência e, não poderia deixar de ser diferente, quando explodiram o Império Otomano após a I Guerra Mundial conforme a conveniência dos vencedores europeus.

A receita costuma ser semelhante: na América grupos indígenas diferentes mesclados aos caudilhos e crioullos não chegaram a um consenso e, até hoje, dezenas de questões de fronteira geram embaraços diplomáticos; na África, guerras tribais chegam a se transformar em genocídio e limpeza étnica; no Oriente Médio, além da mistura de grupos étnicos no mesmo país, a existência do petróleo deixa a região bem mais sensível, devido à disputa de poder e de influência entre Os Estados Unidos, a Rússia e as potência regionais costurando alianças.

Conforme ocorreu no Iraque, novamente os olhos do ocidente voltam-se à superpotência ocidental cobrando uma atitude militar em relação aos ataques químicos recentes na Síria. Entretanto, estudando novamente a I Guerra Mundial, lembremos que a Europa era um barril de pólvora que explodiu com um atentado terrorista. Depois disso, perdeu-se o controle da situação e o conflito durou 4 anos, ceifando milhões de vidas. Igualmente, o Oriente Médio tem sido um barril de pólvora cujo estopim tem sido constantemente apagado pela diplomacia ou dissuasão.

Conforme diz a canção do Exército Brasileiro “A paz queremos com fervor, a guerra só nos causa a dor…”, a nação americana também compactua com esse pensamento. Provavelmente por isso, o presidente Obama ainda não tenha agido energicamente contra o governo da Síria ou a opção pelas medidas que foram adotadas.

O Direito Internacional dos Conflitos Armados repudia o uso de armas de destruição em massa, genocídios e limpeza étnica. Assim como os nazistas foram condenados em Nuremberg e Saddam Hussein também foi condenado por uma corte, a solução mais civilizada e aceitável para o século XXI seria que os responsáveis fossem submetidos a um Tribunal Penal Internacional, mas Damasco não assinalou entregar o nome dos protagonistas.

Lembro finalmente que, buscando evitar um mal maior, França e Inglaterra foram excessivamente tolerantes com Hitler, postura que custou muitas vidas no futuro; da mesma forma, a tolerância com as iniciativas e anexações de Napoleão no início do século XIX e, recentemente, a demora em proteger os curdos das armas químicas de Sadam Hussem custaram vidas de civis indefesos e inocentes.

Segundo Edmund Burke, “para que o mal prevaleça, basta apenas que os bons se omitam”; acrescento ainda a célebre frase de Thomas Jefferson “ O preço da liberdade é a eterna vigilância”.

, ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Temporada hípica da EsEqEx

Dia do Exército – 1ª DE

Campeonato de salto do Exército Brasileiro

©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.