• RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Força Aérea

Pilotos brasileiros fazem hoje primeiro voo no caça Gripen

Por Anderson Gabino      |     19/11/2014 às 9:46

pilotos

Hoje é o Dia D para os brasileiros Gustavo de Oliveira Pascotto e Ramon Santos Fórneas, ambos com 32 anos. Eles são pilotos e voam hoje pela primeira vez o caça supersônico Gripen C/D na base aérea de Satenäs, conhecida como a F-7 escola de pilotos da Suécia.

A data foi confirmada ontem à tarde pela FAB (Força Aérea Brasileira). “É a data prevista”, informou. Não há detalhes sobre o horário do voo, que ocorre após intensa programação de treinamentos em simuladores e em centrífuga.

Os dois capitães aviadores Pascotto e Fórneas chegaram à Suécia no dia 3 de novembro, após passarem por uma seleção entre mais de 240 pilotos, de 12 esquadrões de caça.

Quando pilotarem o Gripen hoje, eles iniciam a missão para o qual estão sendo preparados –serem os primeiros pilotos a desvendar o caça sueco, que vai originar a versão NG, comprada pelo Brasil.

Gripen E2

Eles serão os responsáveis por trazer esse conhecimento para o Brasil. O governo brasileiro comprou 36 Gripen NG, que serão desenvolvidos pela empresa sueca Saab em parceria com a Embraer, no Brasil. O acordo, de US$ 5,4 bilhões, inclui transferência de tecnologia para capacitar o Brasil a produzir os caças.

O Gripen NG só estará no Brasil a partir de 2019. Ele é considerado o mais moderno caça multimissão, com 10 anos de tecnologia à frente dos rivais. A versão NG será desenvolvida a partir das versões C e D, que os dois brasileiros vão pilotar a partir de hoje.

Eles ficam na Suécia até 2015 quando devem ser considerados aptos para transmitir conhecimentos sobre o Gripen para pilotos brasileiros. “O treinamento aqui é intenso, mas o Gripen é um avião fácil de usar”, disse o coronel Michael Cherinet, comandante da Base de Satenäs, a maior das cindo da Suécia para treinamento de pilotos. A Força Aérea da Suécia treina uma média de 30 pilotos por ano, em ritmo considerado puxado.

cap_forneas_antes_do_treinamento

Testes. 

Pascotto e Fórneas enfrentaram muitas horas nos simuladores e provas específicas. Uma semana após chegarem à Base de Satenäs, os dois passaram pelo teste da centrífuga e foram aprovados.

Os pilotos brasileiros tiveram que ficar 15 segundos em uma centrífuga que projeta nove vezes a força da gravidade para adaptar o corpo dos pilotos a uma aeronave de alta tecnologia como o Gripen, capaz de voar duas vezes a velocidade do som.

A centrífuga seria semelhante a um cockpit (cabine de pilotagem) de um avião. A meta é que o treinamento possa medir os impactos do voo no corpo humano e avaliar reações indesejadas, como desmaios, além de preparar os pilotos para uma adaptação a essas condições.

centrifuga4aa

As reações dos pilotos são monitoradas do lado de fora do aparelho, por médicos e engenheiros. Não há equipamento semelhante no Brasil.
Quando a força da gravidade aumenta há risco de o piloto perder a percepção das cores ou perder a visão ou a consciência durante o voo.

Fórneas é piloto do caça F-5 da Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, ele é natural de Ipatinga (MG). Já Pascotto é de São Bernardo e também é piloto de F-5, da Base Aérea de Anápolis (GO). Segundo ele, ser piloto é o sonho de muita gente. “A motivação maior é guardar e defender o país”, disse. A preparação de um piloto de caça chega a oito anos.

Domingo Aéreo Musal 2014 (2)

Embraer lidera transferência

O programa F-X2 prevê que a empresa sueca Saab repasse tecnologia para capacitar o Brasil a produzir o caça Gripen NG. A Embraer de São José dos campos, é a lider do processo e será co-responsável pelo desenvolvimento completo da versão de dois lugares do caça (biposto). A Embraer também vai coordenar as atividades de produção no Brasil em nome da Saab.

FONTE : O Vale

, , , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Base Aérea de Santa Cruz abre suas portas em evento festivo

“Portões Abertos 2015” do Museu Aeroespacial

Voando com o Esquadrão Adelphi




©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.