• RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Internacional

Frota do Mar Negro recebe novos navios

Por   

submarino Diesel Rostov-na-Donu

Será posto em serviço na Frota do Mar Negro o novo submarino Diesel Rostov-na-Donu. O submersível foi lançado ao mar pelo estaleiro Admiralteiskie em São Petersburgo, sendo o segundo navio do projeto 636, devendo o terceiro estar pronto em agosto deste ano.

Conforme o informe do comando da Marinha de Guerra, até 2016, serão construídos seis submarinos convencionais do referido projeto, pertencentes à terceira geração da classe Varshavyanka.

O novo submarino é capaz de deslocar 3,1 mil toneladas, desenvolver uma velocidade de 20 nós e imergir à profundidade máxima de 350 metros. Os submarinos dispõem de armas potentes, como torpedos, um conjunto de minas e um sistema de mísseis Kalibr.

Os submarinos do projeto 636 são, de fato, navios modernizados do projeto 877 Varshavyanka, elaborados no início dos anos 80. Os peritos e técnicos do Ocidente denominaram-nos de “buracos negros” por possuírem um nível de ruído muito baixo, recorda Konstantin Sivkov, presidente da Academia de Problemas Geopolíticos.

submarino Diesel Rostov-na-Donu2

“A principal transformação se refere à substituição dos propulsores, tendo sido modernizados ainda o sistema de comando, a estação hidro-acústica, os sistemas de combate a interferências, o que permitiu diminuir em várias vezes o nível de ruído”, concluiu Konstantin.

A entrada em serviço de um novo complexo hidro-acústico poderá tornar mais difícil a detecção por navios de classes análogas.

O processo de modernização da Frota do Mar Negro terá um novo impulso. Após a reintegração da Criméia e de Sevastopol será revisto um novo programa de construção naval, prevendo um substancial aumento da quantidade e da qualidade de embarcações destinadas para a Frota do Mar Negro, que durante este ano ainda receberá outras embarcações.

Os submarinos do projeto 636 poderão cumprir uma gama enorme de missões que serão atribuídos a estes novos navios, salienta Konstantin Sivkov:

A missão prioritária é a luta anti-submarina nas zonas adjacentes ao litoral de nosso potencial adversário, ou seja, nas regiões de seus ancoradouros. Os novos submarinos são capazes de afetar sistemas de comunicações e, utilizando mísseis de cruzeiro Club-S, realizar ataques contra grupos de navios.

submarino Diesel Rostov-na-Donu3

Peritos opinam que a Frota do Mar Negro precisa de dez submarinos não atómicos e cerca de três grupos de aviação marítima, incluindo um grupo de caças. A frota necessita ainda de navios de ataque, corvetas e lanchas porta-mísseis.

Na época da antiga URSS, os navios da OTAN procuravam estabelecer domínio no mar Negro. Em 1988, perto das costas da Crimeia, o cruzador norte-americano Yorktown e o contra-torpedeiro Caron violaram a fronteira soviética, tendo entrado em águas territoriais à distância de 7 milhas.

A reação soviética foi rápida e eficiente, os navios de patrulha Bezzavetnyy e o SKR-6 empreenderam contra os agressores um contra-ataque direto. Depois do incidente, os navios da OTAN nunca mais se aproximaram da linha fronteiriça russa à uma distância inferior a 120 milhas marítimas.

USS Yorktown CG48SKR Bezzavetny Krivak I

De acordo com analistas, depois da reintegração da Crimeia o sistema de ancoramento da Frota do Mar Negro melhorou de forma radical. Nos próximos seis anos, a Frota deverá receber 30 novos navios de classes e categorias diversas.

, , , , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Temporada hípica da EsEqEx

Dia do Exército – 1ª DE

Campeonato de salto do Exército Brasileiro

©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.