• RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Mercado & Indústria

A Atech, uma empresa do grupo EDS irá exporta tecnologia de gestão aérea para Índia

Por Anderson Gabino      |     23/07/2014 às 14:38

images (5)

A Atech, empresa do grupo Embraer Defesa & Segurança, foi contratada pela Autoridade de Aeroportos da Índia (AAI) para implantar um sistema de gestão e controle de fluxo de tráfego aéreo, que integrará os dados das companhias aéreas, aeroportos e órgãos de controle.

Segundo o presidente da Atech, Jorge Ramos, o contrato está avaliado em US$ 18,5 milhões. Sua execução terá início ainda este mês e o prazo de implantação é de 30 meses. A Atech participou de uma concorrência internacional e, de acordo com Ramos, apresentou uma solução competitiva e de excelência técnica.

“Com este projeto, estamos fornecendo soluções e produtos que são resultado das nossas atividades de pesquisa e desenvolvimento e projetando globalmente uma tecnologia crítica nacional”, afirmou.

O executivo ressalta que a Atech se destacou entre as demais empresas concorrentes pela expertise no desenvolvimento de projetos de grande complexidade, como a integração de todo o setor aéreo brasileiro em um sistema único de gerenciamento de tráfego.

portada_7

A Atech é considerada hoje uma das 10 empresas do mundo que dominam a tecnologia do controle e gestão de tráfego aéreo. Esta capacitação nacional permitiu que o Brasil atingisse a autonomia no gerenciamento do seu espaço aéreo.

O presidente da Atech explica que o sistema que será fornecido para a Índia, batizado de SkyFlow ATFM, permite que os órgãos de controle do tráfego aéreo atuem para equilibrar a capacidade e a demanda aérea, garantindo a segurança das operações, a regularidade e a pontualidade dos voos.

O executivo comenta que o setor de transporte aéreo da Índia tem grande potencial de crescimento. Segundo dados da AAI, até 2020 o volume de passageiros embarcados deve atingir 452 milhões/ano, tornando a Índia o terceiro maior mercado de aviação do mundo. O investimento previsto para atender a esta demanda foi estimado em US$ 120 bilhões.

Air_traffic_controller_schiphol_tower

Um sistema semelhante ao da AAI está em operação no CGNA (Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea), no Rio de Janeiro. O Sigma (Sistema Integrado de Gestão de Movimentos Aéreos) foi desenvolvido pela Atech para adequar o crescimento da demanda do setor à capacidade de infraestrutura aeronáutica disponível hoje no território nacional.

A experiência da Atech nesta área, segundo explica Ramos, veio com o desenvolvimento e a modernização de todos os centros de controle e defesa do espaço aéreo do Brasil, sendo responsável pela implantação do Sagitário, uma versão mais moderna do sistema de tráfego aéreo brasileiro, operado nos Aeroportos da Índia  (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo) de Brasília, Curitiba, Manaus e Recife.

A empresa participou ainda da concepção do Sivam/Sipam (Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia), como integradora brasileira de sistemas. Desenvolveu e integrou os sistemas de missão da aeronave P-3 Orion, de patrulha marítima, da Força Aérea Brasileira (FAB). O projeto foi desenvolvido em conjunto com Airbus Defence and Space na Espanha.

A experiência adquirida pela Atech no Sivam credenciou a Atech para participar, junto com a Embraer, do fornecimento de um sistema similar para a vigilância e proteção da Biosfera Maia, na Guatemala.

Esse sistema também contempla seis aviões Super Tucano, radares, um sistema de comando e controle, comunicação, computação e inteligência (C4i), um centro de operações aéreas e um sistema de suporte operacional e de entretenimento computadorizado para pilotos e técnicos.

 

, , , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Base Aérea de Santa Cruz abre suas portas em evento festivo

“Portões Abertos 2015” do Museu Aeroespacial

Voando com o Esquadrão Adelphi




©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.