Marinha Dominicana protegendo seu litoral com a Operação “Escudo Anfíbio”

1428-dominican-shield-anfibio-650_431Por Holger Alava

A Marinha Dominicana lançou o “Escudo Anfíbio”, uma operação de segurança para combater o tráfico de drogas e a pesca ilegal nas regiões norte e sul do país. O desmantelamento dos grupos do crime organizado que usam os recursos naturais do país em suas atividades ilegais é um dos objetivos da iniciativa.

A operação terá também como alvo grupos de crime organizado que se envolvem em uma série de atividades ilegais, incluindo tráfico de pessoas, contrabando de armas e transporte ilegal de contrabando, como o de cigarros não tributados. O gabinete do chefe do Estado-Maior da Marinha Dominicana lançou a iniciativa Escudo Anfíbio em 18 de janeiro, enviando três cúteres e duas lanchas rápidas de interceptação para as costas norte e sul.

Navios militares mobilizados para as costas norte e sul

Para proteger essas regiões marítimas, a Marinha mobilizou o cúter Canopus GC-107 da Guarda Costeira e as lanchas rápidas de interceptação Polares LI-162 e Dubhe LI-164 para a Zona Naval do Sul, enquanto o navio-patrulha de médio porte Capotillo PM-204 e o cúter Procion GC-103 foram enviados para a Zona Naval do Norte.

Durante as duas primeiras semanas da operação, a Marinha capturou 14 suspeitos, sendo oito haitianos e seis dominicanos. Os haitianos estariam pescando ilegalmente a bordo de três barcos no litoral de Montecrist em águas dominicanas. E os seis dominicanos foram capturados nas costas de Samaná e Sabana de la Mar, quando tentavam viajar ilegalmente para Puerto Rico.

A localização do país insular no Caribe torna as duas costas atraentes para os grupos de crime organizado, de acordo com Wilfredo Lozano, diretor do Centro de Pesquisa e Estudos Sociais da Universidade Ibero-Americana da República Dominicana.

“Apesar da força institucional do governo da República Dominicana, ocorreu um aumento na toxicodependência e no tráfico na República Dominicana nos últimos anos, devido à sua localização geográfica e aos muitos portos da ilha, onde esses grupos criminosos podem exercer uma grande influência sobre as atividades criminosas”, diz o diretor.

Marinha protege o meio ambiente marinho

A atividade ilegal também ameaça a biodiversidade nas regiões costeiras do norte e do suI. Por exemplo, alguns pescadores estão saqueando milhares de pequenos peixes, disse o capitão Daniel Eduardo de la Rosa ao diário dominicano El Día .

A pesca ilegal é uma das atividades que o Escudo Anfíbio pretende impedir.Desde dezembro, a Marinha interditou três navios envolvidos na pesca ilegal. A Marinha também está protegendo os recursos naturais, como a pedra semipreciosa âmbar, que é uma atração turística na costa norte do país.

Outras interdições de drogas no mar

Além de proteger o ambiente marinho, Escudo Anfíbio reprimirá o tráfico de drogas em águas costeiras dominicanas. Mesmo antes do lançamento da iniciativa Escudo Anfíbio, a Marinha Dominicana e outras forças de segurança efetuaram grande número de apreensões de drogas nos últimos anos.

Por exemplo, em abril de 2013, a Marinha trabalhou em cooperação com a Direção Nacional de Controle de Drogas (DNCD) da República Dominicana para apreender 279 quilos de cocaína e prender dois suspeitos, disseram autoridades. A Marinha e a DNCD realizaram a operação no litoral de Boca Chica, onde as forças de segurança interceptaram um barco após avistar três homens atirando drogas ao mar.

Em outra operação, em dezembro de 2012, agentes de segurança desmantelaram uma organização narcotraficante que estava usando lanchas rápidas para transportar drogas ao país, na região da cidade de Bani, a oeste de Santo Domingo. Os agentes interceptaram um dos barcos e apreenderam 10 pacotes de cocaína.

Autoridades policiais acreditam que os narcotraficantes jogaram ao mar pelo menos 800 quilos de cocaína antes da interdição do barco. “Eles são membros de uma rede de tráfico de drogas que importa cocaína da Colômbia”, disse a DNCD em nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *