News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Wednesday, 17 de April de 2024
Home » Fuzileiros Navais » Operação Formosa capacita 2000 militares do Corpo de Fuzileiros Navais

Operação Formosa capacita 2000 militares do Corpo de Fuzileiros Navais

Diversos
Por

Cerca de 160 viaturas foram utilizadas na Operação, como carros Lagarta Anfíbio e blindados

O Corpo de Fuzileiros Navais realizou, até esta terça-feira (13), um dos maiores exercícios operativos da Marinha do Brasil: a Operação Formosa. A atividade aconteceu em conformidade com a Estratégia Nacional de Defesa e contou com dois mil militares, onde ela é executada anualmente no Centro de Instruções de Formosa a 100 km de Brasília (DF). O adestramento permite que a tropa mantenha o máximo de sua condição de pronto-emprego, o que significa que os homens devem estar preparados em até 48 horas para qualquer tipo de missão, sejam as operações anfíbias até as de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Para isso, é exigido treinamento intenso e em diversos ambientes, o estado de constante prontidão operacional dos Fuzileiros capacita a Marinha a cumprir outras ações, como as de operações de paz e ajuda humanitária sob mandato da Organização das Nações Unidas (ONU). Exemplo disso é a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e a Força-Tarefa Marítima (FTM) da Força Interina das Nações Unidas no Líbano.

Meios utilizados

Na atividade são utilizados mísseis superfície-ar (Mistral), aeronaves remotamente pilotadas e lançadores múltiplos de foguetes (Sistema Astros FN 2020), que agregam um sistema digitalizado de comando e controle instalado em uma única viatura. O exercício prevê manobras com aviões e helicópteros da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (RJ). São utilizadas cerca de 160 viaturas, como os Carros Lagarta Anfíbios e os blindados Piranha e M-113, semelhantes aos utilizadas no Haiti e no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Os armamentos e sistemas de armas empregam munição real. O treinamento ainda expõe o sistema de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica. Os Fuzileiros Navais também estão capacitados para reconhecer, identificar e aplicar medidas para descontaminação de agentes dessa natureza.

Operação Formosa

Neste ano, o exercício foi dividido em quatro fases. A primeira aconteceu no período de 15 a 30 de setembro e consistiu no planejamento e deslocamento dos meios para o Centro de Instrução. Na ocasião, foi percorrida uma distância de 1,6 mil km, entre o Rio e Brasília, passando por São Paulo e Minas Gerais. A segunda etapa ocorreu de 1º a 6 de outubro, caracterizando-se por um período de oficinas com atividades específicas voltadas para o preparo das organizações militares.

Na terceira fase, realizada na última quarta-feira (7), houve adestramento integrado, empregando todos os componentes de uma Força de Desembarque – que atuou em conjunto. Nessa fase, aconteceram, ainda, demonstrações para o público externo do uso de aeronaves remotamente pilotadas para a vigilância de uma área de operações, ataques de Infantaria com o apoio de blindados e carros de combate, ataques aéreos por aeronaves AF-1, lançamento de equipes de reconhecimento por meio de paraquedas, utilização do Sistema Astros e tiro antiaéreo sobre drone.

Já a quarta etapa, iniciada no fim de semana do dia 10, prosseguiu até hoje (13), com o desembarque de uma Brigada de Fuzileiros, cuja missão era a conquista de uma faixa continua de um litoral (fictício) em território hostil.

Fonte | Fotos: ministeriodadefesa