News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Friday, 21 de June de 2024
Home » Exército » Centro de Avaliações do Exército apoia ensaios balísticos pela Indústria de Material Bélico do Brasil

Centro de Avaliações do Exército apoia ensaios balísticos pela Indústria de Material Bélico do Brasil

Exército

O Centro de Avaliações do Exército (CAEx) apoiou, entre 7 e 11 de novembro, a Indústria de Material Bélico do Brasil/ Fábrica de Juiz de Fora (IMBEL-FJF), na realização de tiros de ensaio balístico para recebimento de lote de espoleta EOP IMB 1105, fixação de carga e recebimento de lote de estojo 90 mm e fixação de tiro 155 mm.

Engenheiros e técnicos do CAEx e da IMBEL-FJF dispararam granadas 105 mm Altoexplosivo (AE) de um obuseiro 105 mm M 101 A1, do 31º Grupo de Artilharia de Campanha Escola (31º GAC – Es), Grupo Escola de Artilharia, a fim de verificar a inércia pelo efeito da munição ao impacto no alvo. Posteriormente, foram realizados disparos contra alvos específicos, para verificar a segurança, a sensibilidade e o retardo à resistência mecânica das espoletas EOP IMB 1105, empregadas em munições 105 mm, 155 mm e 120 mm.

Foram executados os testes de “fixação de carga”, mediante registro dos valores de “velocidade inicial (V0)” e “pressão no tubo”, para otimizar e estabelecer a quantidade da pólvora BS-90 produzida pela IMBEL-Fábrica Presidente Vargas (FPV) e utilizada nas munições 90 mm HE-T e AE-Tr. Em seguida, houve o recebimento de lote de estojo 90 mm, quando foi atestada a resistência do material por ensaio de “super pressão”. Em ambos os ensaios, foi utilizada a estativa do Canhão 90 mm localizada na linha I do CAEx.

Ao término do período, o 11º Grupo de Artilharia de Campanha (11º GAC), apoiou, na Linha I, a “fixação da carga de projeção” e a “fixação da carga de escorva” do tiro 155 mm. Também foram realizados disparos nas cargas “um” a “cinco”, nas temperaturas de 10º C negativos, 21º C e 52º C, com verificação da V0 e pressão no tubo para cada disparo.

A atividade da IMBEL-FJF, no CAEx, é importante para conferir o atendimento aos requisitos técnicos e de segurança, dentro dos parâmetros de produção e verificação do desempenho da munição, e se constitui em relevante participação do Sistema de Ciência Tecnologia e Inovação do Exército na multiplicação do poder de combate da Força Terrestre e na Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Base Industrial de Defesa e Segurança.

Fonte | Fotos: CAEx