News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Saturday, 13 de April de 2024
Home » Geopolítica » Pyongyang adverte: Tiros contra navio norte-coreano foram uma grave provocação

Pyongyang adverte: Tiros contra navio norte-coreano foram uma grave provocação

Diversos
Por

Cleared for public release by LCDR Thomas Cotton, OIC, COMCAMGRUPAC, (619)571-7130, thomas.h.cotton@navy.mil

A Coreia do Norte classificou como uma “grave provocação” os tiros disparados contra um navio de sua frota pela Marinha da Coreia do Sul. A embarcação norte-coreana teria entrado em águas reivindicadas por Seul no Mar Amarelo durante um exercício de rotina. Pyongyang destacou que o navio se retirou do local após os cinco disparos sul-coreanos. No domingo (25), a Marinha da Coreia do Sul comunicou o incidente afirmando que foram tiros de advertência no dia anterior. No mesmo dia, aconteceu um encontro de famílias das duas Coreias separadas pela guerra entre os países.

O governo norte-coreano, através da agência estatal KCNA, destacou que ações como esta não contribuem para a melhoria das relações entre Seul e Pyongyang e que haverá somente um desastre enquanto os fomentadores da guerra forem imprudentes. A Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953, tecnicamente não terminou, uma vez que não foi assinado um tratado de paz. Pyongyang vem cobrando a celebração de um documento para que o “conflito” seja resolvido. O Mar Amarelo é uma das regiões cujos limites de cada país são contestados. A Coreia do Norte não reconhece a fronteira defendida internacionalmente.

FONTE: Sputniknews

Fonte | Fotos: operacional