News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Monday, 15 de July de 2024
Home » Exército » Ataques químicos na Síria

Ataques químicos na Síria

Exército

Ao longo da história temos visto vários desdobramentos indesejáveis quando colônias ou Estados nacionais são subdivididos. Foi assim nas Américas, com o desmembramento dos Vice reinados e Capitanias; no Continente africano, ao iniciar as ondas de independência e, não poderia deixar de ser diferente, quando explodiram o Império Otomano após a I Guerra Mundial conforme a conveniência dos vencedores europeus.

A receita costuma ser semelhante: na América grupos indígenas diferentes mesclados aos caudilhos e crioullos não chegaram a um consenso e, até hoje, dezenas de questões de fronteira geram embaraços diplomáticos; na África, guerras tribais chegam a se transformar em genocídio e limpeza étnica; no Oriente Médio, além da mistura de grupos étnicos no mesmo país, a existência do petróleo deixa a região bem mais sensível, devido à disputa de poder e de influência entre Os Estados Unidos, a Rússia e as potência regionais costurando alianças.

Conforme ocorreu no Iraque, novamente os olhos do ocidente voltam-se à superpotência ocidental cobrando uma atitude militar em relação aos ataques químicos recentes na Síria. Entretanto, estudando novamente a I Guerra Mundial, lembremos que a Europa era um barril de pólvora que explodiu com um atentado terrorista. Depois disso, perdeu-se o controle da situação e o conflito durou 4 anos, ceifando milhões de vidas. Igualmente, o Oriente Médio tem sido um barril de pólvora cujo estopim tem sido constantemente apagado pela diplomacia ou dissuasão.

Conforme diz a canção do Exército Brasileiro “A paz queremos com fervor, a guerra só nos causa a dor…”, a nação americana também compactua com esse pensamento. Provavelmente por isso, o presidente Obama ainda não tenha agido energicamente contra o governo da Síria ou a opção pelas medidas que foram adotadas.

O Direito Internacional dos Conflitos Armados repudia o uso de armas de destruição em massa, genocídios e limpeza étnica. Assim como os nazistas foram condenados em Nuremberg e Saddam Hussein também foi condenado por uma corte, a solução mais civilizada e aceitável para o século XXI seria que os responsáveis fossem submetidos a um Tribunal Penal Internacional, mas Damasco não assinalou entregar o nome dos protagonistas.

Lembro finalmente que, buscando evitar um mal maior, França e Inglaterra foram excessivamente tolerantes com Hitler, postura que custou muitas vidas no futuro; da mesma forma, a tolerância com as iniciativas e anexações de Napoleão no início do século XIX e, recentemente, a demora em proteger os curdos das armas químicas de Sadam Hussem custaram vidas de civis indefesos e inocentes.

Segundo Edmund Burke, “para que o mal prevaleça, basta apenas que os bons se omitam”; acrescento ainda a célebre frase de Thomas Jefferson “ O preço da liberdade é a eterna vigilância”.

Fonte | Fotos: operacional