News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Monday, 17 de June de 2024
Home » Exército » Uma análise de cenário

Uma análise de cenário

Exército

suposto

Amigos leitores, esta reportagem de 20/10/2014, merece uma leitura e uma bate-papo em nosso círculo.

Ela vem circulando nos veículos de imprensa, há alguns dias e desta forma, nos remete a uma reflexão, principalmente por se tratar de um profissional de segurança privada.

A cada dia, o efetivo de vigilantes cresce e a tendência e continuar nesta linha se considerarmos as frentes que demandam a presença da força pública e por competência também, atuamos de forma complementar a esta, portanto precisamos refletir a cada caso que envolva nossa categoria.

Surgem algumas perguntas para nossa avaliação:

• Será um alerta aos exames psicológicos os quais são submetidos em sua formação, uma necessidade de revê-lo em como é aplicado, seus testes serem mais personalizados talvez, tempo, diferenciado para a formação e para reciclagem?

• Será uma alerta à revisitarmos os procedimentos que envolve a supervisão, inspeções nos postos e principalmente, conhecer mais a cada dia nossos funcionários através de diálogo, respeito humano (relacionamento interpessoal), cada vez mais carente em nossas atividades e ao mesmo tempo identificarmos a sua aplicabilidade de forma inquestionável, para a melhoria de qualidade na prestação de serviços?

Em relação aos CENÁRIOS

• Considerando sua mudança a cada momento, a cada dia em que iniciamos o serviço;

• Considerando a evolução do risco na linha do tempo, pois a peculiaridade da segurança privada é lidar com a INCERTEZA ;

• Considerando as dificuldades de enfrentar as atribulações de nossas atividades, em função do contato humano, lidar com pessoas (perfil em atendimento), etc.

Podemos levar nossos pensamentos para reavaliarmos ou melhor, lutarmos para uma mudança já em reduzir o tempo de reciclagem dos vigilantes, hoje estipulado em 2 anos desde a publicação da lei 7102/83, portanto anacrônico, levando em conta as observações acima.

 

José Francisco Santos é  Oficial da Reserva do Exército Brasileiro. Atuou como Gestor de Segurança Privada (TV Manchete e TV Globo -1980 a 2012) e atualmente é  professor na Escola de Segurança Grande Rio.

Fonte | Fotos: operacional