News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Thursday, 20 de June de 2024
Home » Marinha » Marinha do Brasil integra a Operação “PANAMAX 2014”

Marinha do Brasil integra a Operação “PANAMAX 2014”

Marinha
Por

Autoridades brasileira e estrangeiras

A Marinha do Brasil participou, no período de 4 a 15 de agosto, da Operação “PANAMAX 2014”, uma operação multinacional, realizada anualmente, com foco na proteção do Canal do Panamá. O Exercício ocorre desde 2003, tendo o Brasil iniciado sua participação em 2006.

Esse ano, a operação é coordenada pelos EUA, por meio do seu Comando Sul (USSOUTHCOM), e conta, além do Brasil, com mais dezessete países das Américas do Norte, Sul e Central. Coube à Marinha do Brasil, nesta edição e de forma inédita, exercer o cargo de Subcomandante da Força Multinacional, para o qual foi designado o Contra-Almirante Claudio Henrique Mello de Almeida, Subchefe de Logística e Plano Diretor do Comando de Operações Navais.

Outros seis oficiais superiores desempenham funções de Estado-Maior, tanto na Força Multinacional como em seus componentes marítimo e de operações especiais. Participam, ainda, oficiais e praças do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira e do Ministério da Defesa.

Envolvendo a participação direta de aproximadamente 1.500 pessoas, das quais cerca de trezentas e cinquenta constituem o Estado-Maior da Força Multinacional, os exercícios tem os propósitos de adestrar o pessoal em planejamento militar conjunto de caráter multinacional; intensificar a interoperabilidade entre os diferentes componentes dos Estados-Maiores; permitir o intercâmbio de experiências; e estreitar os laços de amizade entre os países participantes.

Fonte | Fotos: ccsm