News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Thursday, 20 de June de 2024
Home » Ministério da Defesa » Tropas sairão do Haiti até o fim de 2016, revelou ministro Jaques Wagner

Tropas sairão do Haiti até o fim de 2016, revelou ministro Jaques Wagner

Ministério da Defesa
Por

FAB HaitiGabriela Guerreiro

O governo do Brasil vai retirar, até o fim de 2016, as tropas que atuam na Minustah, a missão de paz das Nações Unidas no haiti. O ministro da Defesa, Jaques Wagner, disse nesta quinta-feira (21), em audiência no Senado, que a decisão foi tomada pela ONU, que pretende fazer a retirada total dos militares em serviço no país caribenho, inclusive aqueles de outras nacionalidades.

“No ano que vem, a previsão é de retirada total das forças não só do Brasil, mas das Nações Unidas. Neste ano, inclusive, vários oficiais de outros países da América do Sul já foram comunicados do seu retorno”, afirmou Wagner. O Brasil chefia a Minustah desde sua criação, em 2004, após uma revolta popular que derrubou o então presidente Jean Bertrand Aristide.

Haiti-Brasil

Segundo o ministro, há 1.343 militares brasileiros atuando hoje no país, número que será reduzido para 850 até o fim deste ano, antes da retirada total. Em junho de 2015, a previsão do Ministério da Defesa é que o número já esteja em 970 brasileiros no haiti. Wagner disse que a retirada será gradativa, com os militares brasileiros deixando por último a cidade de Porto Príncipe, capital haitiana.

Os soldados de outros países, que atuam nas demais cidades do haiti, vão se retirar antes da saída total dos brasileiros em 2016. Wagner disse que a missão do Brasil no haiti completou dez anos no ano passado com gastos de R$ 2,3 bilhões –dos quais R$ 1 bilhão foram reembolsados pela ONU.

EB no Haiti2

“Há um investimento líquido de R$1,3 bilhão [do governo brasileiro]. É uma missão humanitária que já tem porta de saída e data prevista para acabar”, afirmou o ministro aos senadores.

Fonte | Fotos: folhadesaopaulo