News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Sunday, 16 de June de 2024
Home » Segurança Pública » Taser Brasil irá fornecer ao Bope armas não letais para uso no resgate com reféns

Taser Brasil irá fornecer ao Bope armas não letais para uso no resgate com reféns

Diversos
Por

 BOPE armas não letais

A ideia de imobilizar a vítima, sem atingi-la com disparos de arma de fogo, chegou ao Batalhão de Operações Especiais (Bope), a tropa de elite da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro incorpora ao seu patrimônio, a partir de hoje 30 armas de eletrochoque modelo X2 da Taser Brasil, justamente para ações de resgate de reféns.

A grande novidade também é que o equipamento permite acoplar câmeras para checar a abordagem dos PMs e registra todas as informações de uso, para serem checadas futuramente em investigações, nas quais haja dúvidas sobre a abordagem policial.Quando as câmeras forem acopladas às armas, as imagens gravadas serão armazenadas, de forma que não poderão ser adulteradas, editadas, cortadas ou apagadas.

taser-detail

No momento em que a arma é destravada, a câmera começa a gravar automaticamente. Mas o gerente da Taser Brasil, Felipe Sineme, explica que o novo equipamento já permite armazenar dados, desde o seu destravamento até a utilização do arco de centelha (o raio de eletricidade que é visto após o acionamento da arma de eletrochoque). É possível registrar, inclusive, a data e a hora do uso da arma. — Essa é a quarta geração desse tipo de equipamento eletrônico.

A arma tem a informação segura de como causar a incapacitação neuromuscular na dosagem correta, independentemente de quem for o alvo — afirma Sineme. Segundo o chefe do Grupo de Resgate de Reféns (GRF) do Bope, tenente Alex Melo, o objetivo é utilizar a arma de eletrochoque apenas em casos nos quais o sequestrador estiver usando facas ou outros instrumentos de contato pessoal, que não seja arma de fogo.

Em episódios como o do ônibus 174, ocorrido em 12 de junho de 2000, no Jardim Botânico, quando a refém foi morta, depois de o atirador do Bope disparar contra o assaltante, o uso da taser seria contraindicado. — Se o bandido está com uma arma de fogo, até por questão de segurança, o policial tem que usar equipamento proporcional. Se o sequestrador estiver com uma faca, é possível usar a taser — esclarece o tenente Melo.

FONTE : O Globo

Fonte | Fotos: operacional