News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Sunday, 21 de April de 2024
Home » História » Copa do Mundo 2014 x Preservação da Memória

Copa do Mundo 2014 x Preservação da Memória

Diversos

 

Para uso como estacionamento da FIFA, foi posto abaixo um pouco da Historia do Brasil. Se pelo menos o Brasil tivesse ganho a Copa…

Lamentavelmente demolido o histórico quartel da Artilharia, em São Cristóvão, onde em 1927 o bravo Coronel Correia Lima instalou o primeiro Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Brasil, e de onde em uma madrugada escura de 1944, soldados brasileiros partiram para embarcar em navios que os aguardavam no Cais do Porto, para a luta contra o nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial.

 

Foi com muita tristeza que captei nas fotos que seguem o que restou, apenas o Portão das Armas, já de há alguns anos desprotegido, invadido.

Castigado pelo rigor do tempo, o escudo das Armas da Republica teima em não se deixar abater, não desaparecer. Como por milagre, ainda parece ter acabado de sair das mãos de hábil artesão. As paredes resistem o quanto podem, mas até quando?

Nem a chuva, nem mesmo o Sol se atreveu a desafiar as sagradas inscrições da magnífica peça, altaneira sobre a paisagem desolada, lembrando que em torno
daquele portão gravitou uma pujante unidade, do Exército de Caxias, da Artilharia de Mallet.

Do imenso terreno vazio onde outrora se ouviam os comandos, a Banda de Musica, a tropa desfilando,   pode se avistar a vastidão das imponentes montanhas ao longe do Maciço da Tijuca, remetendo aos Apeninos, na Itália  gelada, onde os soldados que partiram daquele quartel tiveram a primazia de disparar, aos pés do Monte Bastione, o primeiro tiro da Artilharia Brasileira na 2ª. Guerra Mundial.

Muitos outros quarteis tiveram o mesmo destino, como o belo prédio da antiga Escola de Veterinária, com seus vitrais, datando da Missão Militar Francesa do inicio do século passado. Quarteis que poderiam ter sido salvos, utilizados como escolas, clubes, ou qualquer outra finalidade que lhes preservasse o valor histórico.

 

Restou-me aproveitar a Expofoto 2018 da Associação dos Funcionários do BNDES, realizada na Sociedade de Belas Artes da Rua do Lavradio, para com  nossas fotos, registrar o estado em que se encontra o ultimo  em cimento e tijolos de uma pagina de gloria da Historia do Brasil.

 

Foto de capa: Daniela Dacorso (Agência O Globo)

Fonte | Fotos: operacional