News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Monday, 17 de June de 2024
Home » Ministério da Defesa » Comandante do Exército defende desenvolvimento econômico como estratégia de preservação da Amazônia

Comandante do Exército defende desenvolvimento econômico como estratégia de preservação da Amazônia

Ministério da Defesa
Por

Vilas Boas 03

O comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, proferiu palestra sobre o tema “Amazônia como polo de integração” no segundo dia de palestras do “Seminário Diplomacia e Defesa”, que acontece na sede do Ministério da Defesa até quinta (9). Em seu pronunciamento, Villas Bôas defendeu que a preservação da região deve estar atrelada ao seu desenvolvimento socioeconômico.

O comandante citou como exemplo o polo industrial de Manaus (AM), que gera 130 mil empregos diretos para a população local. E, para cada posto de trabalho, outros três são gerados indiretamente. Segundo o general, a integração amazônica precisa levar em consideração os setores humano, ambiental, de ciência e tecnologia, econômico e de segurança e defesa.

Villas Bôas explicou que a Amazônia cumpre três importantes papéis nos contextos global e nacional: possui recursos naturais estimados em trilhões de dólares; é fundamental para o processo de integração sul-americana; e abriga respostas para problemas da humanidade, como falta de água, biodiversidade e produção de alimentos. “Além disso, tem relação com a identidade brasileira, no senso de autoestima”, completou.

O general lembrou-se, ainda, dos principais desafios enfrentados durante o período em que trabalhou na área. Ele foi comandante militar da Amazônia entre 2011 e 2014 e passou grande parte de sua vida de profissional militar na região. “Falta de infraestrutura, desmatamento, contrabando e questões sociais” foram alguns dos tópicos. “O Brasil até hoje não tem uma política específica para a Amazônia”, finalizou.

Presente no seminário, a assessora especial do Ministério da Defesa, a ex-deputada acreana Perpétua Almeida, explicou que é necessário “amazonizar” o Brasil. “As pessoas têm que ter sentimento pela Amazônia. Ela é a nossa soberania.” Participaram da capacitação adidos militares de países como Espanha, Argentina, Portugal e África do Sul, além de brasileiros civis e integrantes das Forças Armadas.

Fonte | Fotos: ministeriodadefesa