News

Escoteiro do Rio de Janeiro é condecorado com a Medalha Marechal Mascarenhas de Moraes

Escoteiros de Irajá participam de troca de guarda do Monumento aos Pracinhas

AECB Brasília realiza homenagem a veteranos da FEB

Militares do Comando Militar do Norte fortalecem o preparo em Operações Aeromóveis

Tropa do Exército Brasileiro se prepara para atividade internacional

Operações Interagências: saiba como é atuação da Marinha com outros órgãos

Condor apresenta tecnologias inteligentes durante a LAAD 2023 e anuncia o primeiro Instituto de Ciência e Tecnologia para não letais da América Latina

Sunday, 03 de March de 2024
Home » Mercado & Indústria » Navantia e a empresa brasileira Ecovix-Engevix juntas para a reparação da OPV ‘Warao’ PC-22

Navantia e a empresa brasileira Ecovix-Engevix juntas para a reparação da OPV ‘Warao’ PC-22

Mercado & Indústria
Por

warao

A Navantia e a empresa brasileira Ecovix-Engevix, assinaram um contrato para a assessoria técnica da Navantia para a montagem e comissionamento de sistemas de propulsão e automação da OPV Warao PC-22 da Armada Nacional Bolivariana (Marinha Venezuelana).

Além disso, as equipes da Navantia irão fornecer os sistemas de propulsão, de geração de energia e uma plataforma de sistema de controle do navio, sendo que a grande maioria, será produzida em suas próprias fábricas de motores e sistemas eletrônicos na Cartagena (Espanha).

Este acordo é mais um passo na consolidação da presença da Navantia no Brasil, mais uma vez demonstrando um claro compromisso da empresa com o país.

Warao-600x374

Os reparos na OPV Warao, serão realizados no Arsenal de Marinha no Rio de Janeiro, onde a Navantia já está trabalhando na modernização da Corveta brasileira Júlio de Noronha V-32, modificando os mecanismos do sistema de controle do navio, graças a uma automação de projeto ad- hoc permitindo a automatização do navio.

Nas mesmas instalações do Arsenal, a empresa de construção naval Emgepron assumiu o trabalho de reparo estrutural da OPV Warao, que mostrou danos severos após o acidente que sofreu em 2012, durante as manobras “Venbra” com o Brasil. 

Rolldock sea

Poucos meses antes tinha sido colocada em serviço na Marinha venezuelana, a OPV colidiu com um coral de recife quando se aproximava do porto brasileiro em Fortaleza, para onde ela foi rebocada, permanecendo ancorada aguardando reparos neste porto até fevereiro de 2013, quando, foi feita uma faina para a colocação da OPV no navio dique holandês Rolldock Sea, de onde a mesma foi transferida para o AMRJ no Rio de Janeiro, sendo alocados os recursos para o reparo logo em seguida a sua chegada.

Fonte | Fotos: defensa