• Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • RSS

Geopolítica

EUA preparam ofensiva para tentar libertar Mosul do Estado Islâmico

Por   

Ataque ao EI

Tropas iraquianas e curdas lançarão um ataque massivo contra os militantes do Estado Islâmico em abril ou maio deste ano para tentar retomar o controle sobre a cidade iraquiana de Mosul, segundo declarou um funcionário do Comando Central dos Estados Unidos em uma entrevista coletiva na quinta-feira (19).

De acordo com o oficial, os norte-americanos estão treinando e equipando as forças iraquianas para combater os jihadistas, ajudando-as com logística, apoio aéreo e inteligência. A mesma fonte acrescentou que a ofensiva por Mosul incluirá cinco brigadas iraquianas, com cerca de dois mil soldados cada uma. Três brigadas de combatentes curdos também são esperadas para fortalecer a campanha no norte do país.

Além disso, a operação também envolverá três brigadas iraquianas de reserva, bem como uma força composta por ex-policiais e membros tribais de Mosul. Segundo o oficial norte-americano, o ataque planejado contaria com até 25 mil combatentes contra o Estado Islâmico. O funcionário opinou ainda que a campanha aérea da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos teve “grandes efeitos”.

Ele admitiu que levaria tempo para exterminar o grupo extremista, mas alegou que, militarmente, os jihadistas estão “em declínio”.A cidade de Mosul, no norte do Iraque, foi capturada pelo Estado Islâmico em junho de 2014, e atualmente é controlada por um número estimado de mil a dois mil extremistas.

Na segunda-feira (16), o premiê iraquiano, Haider Abadi, disse à agência britânica BBC que esperava ver Mosul liberada dentro de alguns meses, e comemorou o fato de a coalizão aérea liderada pelos Estados Unidos ter intensificado seus ataques nas últimas semanas.O Estado Islâmico, grupo extremista sunita conhecido por suas táticas brutais, conquistou grande parte da Síria e do Iraque em 2014.

No princípio, o movimento jihadista surgiu como uma das facções rebeldes que lutavam contra o governo do presidente sírio Bashar al-Assad, hostilizado também pelos Estados Unidos e por grande parte do mundo ocidental.  A Rússia, por outro lado, tem insistido na necessidade de seguir o direito internacional e o princípio de soberania para avançar na luta global contra o terrorismo.

Segundo Moscou, os bombardeios aéreos da coalizão internacional são insuficientes para combater o Estado Islâmico, além de ilegítimos por não serem coordenados com as autoridades do governo sírio.

FONTE : Sputniknews

Fonte | Fotos: operacional

, , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Formatura do Treinamento Específico de Auxiliar de Precursor

Dia Internacional do Peacekeeper no CCOPAB

Temporada hípica da EsEqEx