News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Tuesday, 23 de April de 2024
Home » Força Aérea » Termina exercício que reuniu os três esquadrões operacionais de Super Tucano

Termina exercício que reuniu os três esquadrões operacionais de Super Tucano

Força Aérea
Por

Exercício Cachimbo 2014

Os Esquadrões Escorpião (1°/3° GAV), Grifo (2°/3° GAV) e Flecha (3°/3° GAV) encerraram nesta sexta-feira (16/08) a participação no exercício Cachimbo 2014. Com o objetivo de realizar o emprego armado da aeronave A-29 Super Tucano e de formar o líder de esquadrilha em missões ar-solo, o treinamento reuniu por um mês cerca de 300 militares no Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), sul do Pará.

Este ano, o exercício teve como foco as missões de ataque com o emprego ar-solo de foguetes, bombas reais e bombas de exercício. Foram simuladas, por exemplo, a destruição de locais estratégicos como pistas ilegais, hangares e casas de força.

Exercício Cachimbo 2014.2

Segundo o comandante do Esquadrão Flecha, Tenente-Coronel Henrique do Espírito Santo, o treinamento consecutivo deixa o piloto com habilidade para acerto independentemente do alvo. “Se houver uma mudança de cenário, o piloto já não sente tanto porque ele praticou várias vezes em ambiente preparado, portanto a missão já sai de maneira bastante natural”, afirmou.

Como a meta do exercício também é qualificar o piloto de caça para liderança de esquadrilha, ou seja, para gerenciar uma formação de geralmente quatro aeronaves, o Tenente-Coronel Henrique fez a avaliação do desempenho dos pilotos. “No decorrer dos dias, nós verificamos que eles foram amadurecendo tanto em treinamento, quanto em termos de acertos. A operação foi um sucesso”.

Exercício Cachimbo 2014.4

Intercâmbio

O treinamento, que geralmente é realizado anualmente por cada esquadrão de forma separada, ocorreu pela segunda vez de forma integrada. O aspecto positivo é a troca de conhecimento e a logística.

As equipes de mecânicos e de especialistas em armamentos dos esquadrões participam das mesmas missões. “O ganho é treinar a interoperabilidade, fazer uma missão integrada e uma manutenção integrada porque os mecânicos de aviões em geral e os especificamente de armamento, eles trabalharam juntos”, afirmou o Tenente-Coronel Josenval Alves Franco, comandante do Esquadrão Grifo.

Exercício Cachimbo 2014.7

Armamentos 

A bomba real BAFG pesa 230 kg e é cuidadosamente manuseada pelos especialistas. Ao ser instalado na aeronave, o armamento fica a cargo do piloto, que, com o auxílio do computador da aeronave, lança de acordo com as coordenadas do alvo previamente repassadas pela equipe em solo.

O local de emprego dos armamentos reais, ao final do exercício, exibe sinais de desgaste. Os objetos posicionados como alvos ficaram praticamente destruídos. Além disso, a área apresentou diversas crateras feitas pelas bombas com cerca de dois metros de profundidade e quase cinco metros de diâmetro.

Exercício Cachimbo 2014.6Exercício Cachimbo 2014.5Exercício Cachimbo 2014.3

Fonte | Fotos: cecomsaer