News

Escoteiros de Irajá participam de troca de guarda do Monumento aos Pracinhas

AECB Brasília realiza homenagem a veteranos da FEB

Militares do Comando Militar do Norte fortalecem o preparo em Operações Aeromóveis

Tropa do Exército Brasileiro se prepara para atividade internacional

Operações Interagências: saiba como é atuação da Marinha com outros órgãos

Condor apresenta tecnologias inteligentes durante a LAAD 2023 e anuncia o primeiro Instituto de Ciência e Tecnologia para não letais da América Latina

Grupo EDGE, dos Emirados Árabes Unidos, participa pela 1ª vez da LAAD

Thursday, 22 de February de 2024
Home » Geopolítica » Conflitos no Afeganistão e no Paquistão já deixaram cerca de 150 mil mortos

Conflitos no Afeganistão e no Paquistão já deixaram cerca de 150 mil mortos

Diversos
Por

© AFP 2015

Um estudo divulgado por especialistas norte-americanos revelou que, aproximadamente, 150 mil pessoas morreram no Afeganistão e no Paquistão desde o início dos combates dos EUA contra o Talibã. O levantamento, realizado pelo Instituto Watson de Estudos Internacionais, como parte de um programa sobre os “Custos da guerra”, mostra também que o número de feridos nestes dois países, desde 2001, é superior a 162 mil.

Apesar dos anúncios de retirada das tropas americanas, adiada pelo presidente Barack Obama, a pesquisa indica que o conflito no Afeganistão está se intensificando, ao invés de estar se aproximando do fim, já que o número de vítimas não parou de crescer ao longo dos últimos anos. E, na verdade, a decisão de manter os quase 10 mil soldados americanos no país por mais tempo, segundo o Instituto Watson, é uma prova de que a guerra está longe de terminar.

No Paquistão, onde, de maneira geral, os combates perderam força nos últimos tempos, o conflito continua intenso na região noroeste do país, o que contribui para o aumento no número de vítimas.  De acordo com os responsáveis pelo estudo, os dados apresentados levam em consideração principalmente os mortos e feridos, civis e militares, de maneira direta, já que é extremamente complicado avaliar o número de vítimas indiretas, atingidas por problemas como a desnutrição, falta de cuidados ou abrigos etc.

FONTE : Sputniknews

Fonte | Fotos: operacional