News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Thursday, 18 de April de 2024
Home » Geopolítica » EUA rejeitam ideia de aliança militar com países do Golfo

EUA rejeitam ideia de aliança militar com países do Golfo

Diversos
Por

Aliança no Golfo

Na véspera da cúpula em Camp David altos funcionários da Casa branca dizem que a aliança formal entre os EUA e os países do Golfo não irá aparecer no futuro próximo. Os políticos americanos alegaram as complexidades em formação de um tratado militar no Oriente Médio.

Ben Rhodes, conselheiro-chefe de segurança para a comunicação estratégica dos EUA, disse ao jornal Al-Jazeera nesta quarta-feira (13) que os EUA continuam apenhados em garantir a defesa dos países-membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), mas um tratado formal não está previsto para o futuro próximo.

“Um tratado não é algo que nós buscamos, levou décadas para criar a OTAN e construir relações com os aliados asiáticos, mas podemos proporcionar garantias claras de que iremos defendê-los [países do Golfo]”, comentou Rhodes. As declarações foram feitas um dia antes do início da cúpula em Camp David em Maryland na qual o presidente dos EUA Barack Obama irá encontrar-se com os líderes dos países do CCG.

paises do golfo

Os EUA e os países do Golfo irão também discutir questões de segurança enquanto aumentam tensões entre as potências regionais por causa da situação no Iêmen e na Síria.A coalizão árabe, inclusive o Catar e a Arábia Saudita, iniciou ataques aéreos no Iêmen para restaurar o governo do presidente iemenita Abed Rabbo Mansour Hadi e parar a ofensiva do movimento Houthi que, segundo alguns relatos, é apoiado pelo Irã.

Tanto a Arábia Saudita como o Catar apoiam os rebeldes sírios que lutam contra o governo do presidente Bashar Assad e são apoiados das autoridades iranianas.Por causa das tensões dos mencionados países com o Irã, eles pretendem pressionar os EUA para os estadunidenses darem garantias escritas de prontidão a defendê-los no caso de ataque iraniano.

Os EUA, entretanto, se encontraram em uma posição delicada. Por um lado, a administração de Obama quer assinar o acordo nuclear com Irã e, segundo relatos do senador estadunidense John McCain, pretende levar os Estados do Golfo a apoiar o dito acordo oferecendo-lhes em troca a defesa integral contra mísseis balísticos ou em outras palavras tentam suborná-los.

USAF_F-16A_F-15C_F-15E_Desert_Storm_edit2

No contexto de desejo de Obama de finalmente chegar ao acordo com o Irã sobre o seu programa nuclear o recuso de criar uma aliança militar com os países do Golfo pode ser considerado como uma relutância de irritar o Irã. Por outro lado os EUA apoiam a operação militar da coalizão árabe no Iêmen, o que cria tensões com a República Islâmica do Irã como, por exemplo, no caso o cargueiro iraniano com ajuda humanitária para a população do Iêmen quando os EUA disseram que estão vigiando o navio e o lado iraniano por sua vez manifestou que qualquer tentativa dos EUA ou da Arábia Saudita de parar o navio poderão resultar numa guerra.

FONTE : Sputniknews

Fonte | Fotos: operacional