News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Wednesday, 24 de April de 2024
Home » Marinha » Marinha do Brasil revela projeto da NPaOc (OPV) na Euronaval 2014

Marinha do Brasil revela projeto da NPaOc (OPV) na Euronaval 2014

Marinha
Por

EMGEPRON está definido para desvendar um design indígena navio de patrulha offshore BR-OPV na exposição Euronaval 2014, em Paris, em outubro. Fonte EMGEPRON

A empresa estatal brasileira EMGEPRON (Empresa Gerencial de Projetos Navais) vai revelar o projeto do primeiro navio de patrulha oceânico (NPaOc ou OPV – Offshore Patrol Vessel) na feira Euronaval 2014 que ocorrerá em Paris, no final de outubro.

O projeto está sendo desenvolvido pelo Centro de Projetos de Navios da Marinha do Brasil. O navio – que recebeu a designação de Navio-Patrulha Oceânico BRasil (NaPaOc-BR), ou BR-OPV, foi projetado para realizar missões de vigilância na zona econômica exclusiva (EEZ), incluindo a proteção da infraestrutura das plataformas de petróleo, combater atividades ilegais no mar, prover segurança ao tráfego marítimo e apoiar missões de busca e salvamento (SAR).

O BR-OPV deslocará cerca de 2.000 toneladas e pode embarcar uma tripulação de 125 homens. O casco tem comprimento de 103,4 mts, 11,4 mts de largura e calado de 3,95 mts. Com uma velocidade máxima de até 25 nós e um alcance de 4.000 milhas a 12 nós, o navio é projetado para uma autonomia de 30 dias no mar.

A propulsão combinada diesel e diesel (CODAD) inclui dois motores diesel associados a propulsores de passo variável através de uma única caixa de transmissão. Refletindo o design stealth do projeto, a chaminé do navio foi posicionada no centro da superestrutura, logo atrás do mastro. O projeto também traz dois estabilizadores laterais a ré, abaixo da linha d´água.

O navio tem a capacidade de embarcar lanchas RHIBs (rigid hull inflatable boats) possuirá ainda um covôo para operações aéreas e um hangar para acomodar um helicóptero leve ou de médio porte. Os sistemas e sensores incluem uma alça eletro-óptica giro-estabilizada para observação e capacidade de direção de tiro; sistemas de comunicações, guerra eletrônica e comando e controle, canhões de água e radares de busca aérea e de superfície.

O armamento inclui uma torreta com canhão de médio calibre e dois canhões de 20 mm nos bordos. Entende-se que o BR-OPV pode ser equipado com canhões de 40, 57 ou 76 mm como armamento principal. A EMGEPRON disse que os estudos de definição das armas e dos sistemas está em curso, mas enfatiza que o projeto poderá permitir a integração de um leque de equipamentos.

O Brasil atualmente opera três OPV´s da classe “Amazonas”, comprados por 133,8 milhões de libras (US$ 218,61 milhões) em contrato assinado com a BAE Systems em dezembro de 2011. O NPaOc Amazonas (P 120), o NPaOc Apa (P 121) e o NPaOc Araguari (P 122) foram comissionados em junho e novembro de 2012 e em junho de 2013 respectivamente. O acordo inclui também a licença para construção de mais navios da classe no Brasil.

Como parte do Programa PROSUPER (Programa de Obtenção de Meios de Superfície), a Diretoria de Gestão de Programas Estratégicos da Marinha (DGePEM) pretende comprar e construir localmente cinco OPVs de 1.800 toneladas.

As propostas que atendem aos requisitos foram submetidas pela BAE Systems, Daewoo Shipbuilding & Marine, Damen Schelde Naval Shipbuilding, DCNS, Fincantieri, Navantia, e ThyssenKrupp Marine Systems. Embora o Brasil tenha a licença para construir mais navios da classe “Amazonas”, não significa necessariamente que este projeto atende aos requisitos dos futuros OPV´s, além disso, entende-se que mais 7 OPV´s serão necessários.

 

Fonte | Fotos: janes