News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Tuesday, 23 de April de 2024
Home » Ministério da Defesa » Iraque mostra interesse na compra de equipamentos militares Brasileiros

Iraque mostra interesse na compra de equipamentos militares Brasileiros

Ministério da Defesa
Por

jafari

Um dos maiores clientes de armas brasileiras entre as décadas de 60 e 80, o Iraque manifestou interesse nesta ultima terça-feira em retomar a compra de produtos de defesa do Brasil, informou o Ministério da Defesa. Essa notícia foi dada pelo ministro de Relações Exteriores do Iraque Ibrahim al Jaafari, durante a visita que fez ao Brasil e reuniu-se com o chanceler Mauro Vieira e com o ministro da Defesa Jaques Wagner.

O ministro iraquiano afirmou “o interesse de seu país em voltar a comprar os produtos de defesa brasileiros já que durante os anos 80, o Iraque foi um dos grandes parceiros comerciais do Brasil”, e durante muitos anos nos abasteceu de produtos, como os sistemas Astros II, Blindados, aeronaves de treinamento Tucano e tantos outros tipos de armas convencionais, mas o Brasil suspendeu as vendas em 1990 devido ao embargo internacional imposto a esse país pela invasão ao Kuwait.

Jaques-Wagner.Face

O Ministério da Defesa soltou uma nota, onde diz que ” o aquecido mercado brasileiro da indústria de defesa movimenta cerca de US$ 6,5 bilhões ao ano sendo que US$ 3 bilhões só em exportações, gerando 30.000 empregos diretos e 100 mil indiretos”. As empresas Brasileiras de sistemas de misseis, aviões e carros de combate tinham como principal mercado regional o Oriente Médio para onde se destinavam quase 50% de sua produção na década de 70. Seus principais cliente era o Iraque que concentrava 40% das compras, seguido pela Líbia com 30%.

Neste encontro com as autoridades brasileiras, o ministro Ibrahim al Jaafari disse que o Iraque precisa voltar a se equipar para ter condições de combater a ameaça terrorista do grupo Estado Islâmico, que tem dominado territórios no Iraque como na Síria. Ele salientou ainda, que o principal motivo da visita foi de solicitar apoio do Brasil nos esforços do governo iraquiano pela estabilização do país e ao combate do terrorismo.

Os jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) vêm exibindo uma variedade impressionante de armas. Muitas foram capturadas do próprio exército iraquiano.

“Contra o terrorismo não se pode ter uma guerra convencional, temos buscado ajuda em países amigos e democráticos que lutam para defender aqueles que estão sofrendo com esta pratica do terror”, afirmou Ibrahim al Jaafari, citado o comunicado do Ministério da Defesa, ao defender acordos de cooperação com o Brasil.

Por sua vez o Ministro da Defesa Jaques Wagner, enfatizou que o Governo Brasileiro tem uma longa tradição de paz e de solidariedade e que por isso, “externando nossa total solidariedade aos Iraquianos perante as atrocidades que são reveladas e feitas no país pelo Estado Islâmico”.

Além do ministro Jaques Wagner e do chanceler iraquiano Ibrahim Al-Jaafari, participaram da audiência o chefe de Assuntos Estratégicos do Ministério da Defesa (MD), general Gerson Menandro, o chefe do departamento de Catalogação do MD, almirante Antônio Guerreiro, o diretor do departamento de oriente Médio do Itamaraty, embaixador Carlos Ceglia, o embaixador da República do Iraque no Brasil, Adel Al Kurdi, entre outras autoridades brasileiras e iraquianas.

Fonte | Fotos: ministeriodadefesa