News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Tuesday, 16 de April de 2024
Home » Ministério da Defesa » Ministro da Defesa conhece ações do Brasil em missões de paz da ONU

Ministro da Defesa conhece ações do Brasil em missões de paz da ONU

Ministério da Defesa
Por

cae_inter1

O Brasil tem espalhados pelo mundo mais de 1,7 mil militares. Esse contingente brasileiro atua em missões de paz sob a liderança da Organização das Nações Unidas (ONU) em nove nações, como por exemplo, no Haiti e no Líbano. Além disso, a cada ano são feitos contatos com diversos países para atividades, visitas, reuniões, grupos bilaterais e intercâmbios sobre o tema defesa. Somente em 2014, foram realizadas ações com 65 países.

Os dados foram apresentados hoje (04) ao ministro da Defesa, Jaques Wagner, e demais assessores, pelo chefe de Assuntos Estratégicos do Ministério da Defesa, general Gerson Menandro Garcia de Freitas. De acordo com o general, a cooperação proporciona laços mais duradouros e permanentes com as nações-amigas. “Privilegiamos os relacionamentos bilaterais”, destacou.

Na ocasião, o chefe de Assuntos Estratégicos esmiuçou todo o funcionamento e os projetos em andamento pelo seu setor. Ele enfatizou o trabalho de comando que vem sendo realizado pelos militares brasileiros na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), na Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-Unifil) e na Missão de Estabilização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (Monusco).

Menandro também lembrou que a interlocução com outros ministérios e instituições é uma das missões da chefia, bem como o estreitamento dos interesses internacionais no entorno estratégico da América do Sul, África e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). “É uma rede muito dinâmica. Temos grande capilaridade”, disse.

cae_inter2

Subchefias

A Chefia de Assuntos Estratégicos tem três subchefias subordinadas. A de Política e Estratégia é responsável, entre outras atribuições, pela atualização dos documentos-legais da Defesa, como o Livro Branco, por exemplo. O Livro traz as principais ações do Estado na área de defesa e os desafios do setor para os próximos anos. É, ainda, um mecanismo de diálogo entre os setores civil e militar.

A de Organismos Americanos cuida do contato com a Junta Interamericana de Defesa e demais entidades semelhantes. Também faz a intermediação com órgãos do governo nas áreas de meio ambiente, direitos humanos, questão indígena e quilombola, gênero e fronteiras, entre outros.

Já a de Assuntos Internacionais trata do relacionamento com as adidâncias, da participação e representação brasileira em fóruns de desarmamento e do fomento e promoção da cooperação entre os países do entorno estratégico. Entre as metas para este ano, o general Menandro citou o fortalecimento da cooperação regional em defesa, o incremento da política externa de defesa e a comunicação mais fluÍda com as demais instituições governamentais.

Estiveram presentes na reunião o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi; a secretária-geral do ministério, Eva Chiavon; e autoridades civis e militares relacionadas à temática

Fonte | Fotos: ministeriodadefesa