News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Friday, 14 de June de 2024
Home » Mercado & Indústria » Setor naval tenta deslanchar há seis décadas

Setor naval tenta deslanchar há seis décadas

Mercado & Indústria
Por

 

Setor Naval

Ao longo das últimas seis décadas a indústria naval brasileira passou por períodos de crescimento, mas sempre com forte apoio do governo federal, num enredo que mescla oscilações cambiais, incentivos fiscais e crédito farto. As tentativas porém naufragaram em novas crises, e o primeiro grande impulso foi dado pelo presidente Juscelino Kubitschek, em meados dos anos 1950. O plano de desenvolvimento lançado por JK fixava metas de expansão para diversos segmentos da economia, incluindo o setor naval.

Não foi a única iniciativa. Os governos militares também dedicaram esforços a impulsionar a indústria naval. Em 1969, foi criada a Superintendência Nacional da Marinha Mercante (Sunaman) mas o órgão foi extinto em 1983, e durante o governo militar do general Ernesto Geisel (1974 a 1979) foi criado um novo plano de incentivos.

Setor Naval.3

Mas apesar dos estímulos governamentais, o setor sucumbiu à crise nos anos 1980 (quando o Brasil declarou moratória). Não bastasse o ambiente econômico desfavorável, o setor sofreu os efeitos da má gestão dos estaleiros. A nova recuperação do setor teve início após o fim do monopólio da Petrobras, no governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), com a exigência de índices de conteúdo local pelas petroleiras a partir de 1999. Essa política recebe maiores incentivos a partir de 2003 quando Lula prometeu que as plataformas seriam construídas no Brasil.

No Rio, a retomada teve impulso em 1999, quando a Secretaria de Energia, Indústria Naval e Petróleo criou um programa de recuperação. Wagner Victer, que coordenou a operação, lembra que houve a retomada de 15 estaleiros. O programa consistia em separar os ativos do estaleiro de seus controladores endividados e buscar investidores estrangeiros de grande porte, como grupos de Cingapura.

industria-naval-g1industria-naval-g1Setor Naval.4

Foi uma grande mobilização que envolveu trabalhadores e indústria nacional, pois todas as obras, sem exceção, eram feitas fora do país — destacou Victer. A ideia era desenvolver projetos de alta tecnologia, como a construção de plataformas e sondas de exploração,que antes vinham do exterior.

FONTE : O Globo

Fonte | Fotos: operacional