RSS
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • RSS

Eventos

Academia da Força Aérea celebra o Dia do Instrutor de Voo

Por   

dia do instrutor de voo.2

Dedicar-se à formação dos futuros oficiais aviadores da Força Aérea Brasileira (FAB) nas mais diversas missões que ela cumpre para manter a soberania aérea do país. É essa a missão dos atuais 126 instrutores de voo da Academia da Força Aérea (AFA) nos dois esquadrões de instrução aérea. Nesta quinta-feira (21/05), a AFA homenageia o instrutor de voo. A data foi instituída em 1998, quando foi atingida a marca de um um milhão de horas de instrução, número que hoje já ultrapassa 1,5 milhão.

Responsável por cerca de 20% de todos os voos diários realizados pela FAB, o instrutor de voo tem o papel de dar ao cadete desde os primeiros passos na aviação até a sua formação como piloto militar. Para isso, a AFA realiza, em média, 150 pousos diários, totalizando, ao ano, uma média de 30 mil horas de voo, sendo a grande maioria de instrução.

O Tenente Aviador Alfonso Bittencourt Filho explica que cada instrutor realiza até três voos diários e, entre a instrução teórica antes do voo (chamada de briefing), e pós-voo (debriefing), cada instrução aos 233 cadetes do segundo e quarto ano da AFA dura cerca de três horas entre briefing e debriefing. “A rotina do cadete aviador exige que ele chegue antes do nascer do sol ao esquadrão de instrução e, antes dele, os instrutores já estão no local”, explica o tenente.

dia do instrutor de voo

Seguido como modelo e referência, a relação entre instrutor e cadete deve ser de confiança e cumplicidade no voo, pois a atividade fica confiada à experiência do instrutor e à capacidade de aprendizagem do cadete. O Tenente-Coronel Aviador Afonso Henrique Junqueira de Andrade Junior, com 13 anos de instrução de voo, é o oficial aviador da ativa com o maior número de horas de instrução, mais de 3.500.

Na sua visão, a formação do recurso humano na FAB é elemento essencial para o cumprimento de sua missão, por isso, não só o exemplo da técnica basta, mas, também, moral e caráter. “O instrutor é o oficial mais avaliado, pois o cadete busca nele um modelo. Os cadetes merecem o melhor que podemos oferecer”, afirma o Tenente-Coronel Afonso Henrique, que é chefe da Subdivisão de Instrução de Voo da Academia.

Os coronéis aviadores instrutores da reserva são o exemplo da importância da experiência de voo para a formação do cadete. O Coronel Aviador Marcio Cesar dos Santos, formado em 1979, está na reserva há seis anos, porém, voltou para Pirassununga (SP) para novamente ser instrutor. Atualmente, acumula 2.500 horas e é o oficial com a maior quantidade de horas de voo no 2º Esquadrão de Instrução Aérea (2º EIA), onde os cadetes do segundo ano têm seu primeiro contato com a aviação.

Instrução de Voo

“Muitos chegam sem nunca terem voado antes. Aqui podemos acompanhar todo o progresso do cadete, por isso, gosto de atuar na instrução primária. Com o tempo, adquirimos mais paciência e experiência, importantes para transmitir aos cadetes a sensação e sentimentos necessários para o voo”, afirma o instrutor padrão de 1983, ano em que serviu pela primeira vez na AFA.

A dedicação empregada pelo instrutor é percebida também pelos cadetes aviadores, como o Cadete Tales Pimenta, do quarto ano. “Futuramente me lembrarei dos meus instrutores como oficiais abnegados, que acordavam antes mesmo de nós, para darem asas aos seus alunos”, disse.

Fonte | Fotos: cecomsaer

, , , , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Formatura do Treinamento Específico de Auxiliar de Precursor

Dia Internacional do Peacekeeper no CCOPAB

Temporada hípica da EsEqEx

©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.