News

SAFRAN ESTÁ NA FIDAE 2024 COM SEUS PRODUTOS DE PONTA

Embraer e FAB iniciam estudos para plataformas de missões especiais

Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE, é inaugurado por autoridades na FIDAE 2024

Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto em operação contra garimpo ilegal na terra indígena Yanomami

IACIT fortalece presença entre principais marcas globais na FIDAE 2024

Operação Catrimani II: Forças Armadas empregam 800 militares em nova fase de combate ao garimpo na TI Yanomami

Marinha e Polícia Federal apreendem carga de cigarros contrabandeados no litoral do Pará

Tuesday, 23 de April de 2024
Home » Força Aérea » Foguete sul-coreano será lançado do Brasil com carga útil 100% nacional

Foguete sul-coreano será lançado do Brasil com carga útil 100% nacional

Força Aérea

O lançamento é resultado de um acordo de parceria entre o DCTA e a empresa sul-coreana INNOSPACE

A Força Aérea Brasileira (FAB), por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), e a empresa sul-coreana INNOSPACE assinaram, no início de 2022, um acordo de parceria com o objetivo de realizar o lançamento do foguete HANBIT-TLV e o ensaio em voo da carga útil SISNAV, operação que demonstra a capacidade nacional em desenvolver tecnologias espaciais e lançar foguetes, endossando o compromisso do Brasil com a manutenção da soberania do espaço aéreo.

A campanha de lançamento, nomeada Operação Astrolábio, ocorrerá a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), unidade subordinada à FAB.

O HANBIT-TLV é um lançador de satélites que mede 16,5 metros e pesa 8,4 toneladas. O foguete, desenvolvido pela empresa INNOSPACE, utiliza um sistema patenteado de alimentação por bomba elétrica, além de tecnologia híbrida, ou seja, com propulsores à base de oxigênio líquido e uma mistura de parafinas, o que proporciona composição química estável, fabricação mais rápida e de menor custo.

“A INNOSPACE está muito orgulhosa de todo o trabalho realizado até aqui, pois foram muitos meses de estudo, planejamento e preparo das equipes. Essa Operação será marcada pela sinergia, esforço e pioneirismo. Entraremos para a história do Programa Espacial”, comentou o Diretor de Negócios da INNOSPACE do Brasil, Élcio Jeronimo de Oliveira.

O veículo é equipado com a carga útil denominada Sistema de Navegação Inercial (SISNAV), desenvolvida pelos militares e profissionais civis do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o qual faz parte do DCTA.

O SISNAV é um experimento tecnológico brasileiro essencial para a navegação autônoma de foguetes, que permitirá ao Brasil um grande passo em direção à independência no desenvolvimento de veículos para lançamentos de satélites de todos os tipos. O Projeto SISNAV está inserido dentro do Sistema de Navegação e Controle (SISNAC), previsto para o Veículo Lançador de Microssatélites (VLM) da FAB, focado em órbitas baixas no chamado New Space.

Antigamente, os satélites eram maiores e, ao serem lançados, ficavam em órbitas altas durante longos períodos. A chegada do New Space revolucionou o mercado espacial. Trata-se de um conceito que prioriza o lançamento de satélites menores e mais leves, planejados para orbitarem por períodos mais curtos em órbitas mais baixas, o que diminui a necessidade de grandes áreas e ainda permite o uso de foguetes menores para realizar a operação. Neste sentido, o CLA emerge com um grande potencial, tendo sua agenda à disposição das empresas do mundo todo.

Outra vantagem do New Space é a participação de pequenas empresas de inovação, sendo muitas startups, potencializando o desenvolvimento de pesquisas espaciais devido à constante atualização das tecnologias envolvidas e o seu baixo custo.

“A Operação Astrolábio é o resultado de uma integração inédita extremamente relevante para o nosso país e para o mundo. Por meio dessa parceria, fortaleceremos e capacitaremos a indústria nacional em tecnologias aeroespaciais e de defesa com valor agregado e de alto nível”, explicou o Diretor do DCTA, Tenente-Brigadeiro do Ar, Maurício Augusto Silveira de Medeiros.

No que se refere à segurança da Operação, o Diretor do CLA, Coronel Engenheiro Fernando Benitez Leal, reforça que a trajetória do veículo não passará por áreas habitadas e os pontos de impacto do propulsor e da carga útil, que caem no Oceano Atlântico, ocorrerão a mais de 50 km da costa, não oferecendo perigo à população ou prejuízos ambientais.

“A área de impacto é interditada para navegação por meio de aviso aos navegantes e notificações para as aeronaves, evitando assim o sobrevoo. Além disso, a FAB também presta suporte com aeronaves de patrulha, desenvolvendo um trabalho de esclarecimento da área de impacto para certificar que não exista nenhuma embarcação em risco. A Marinha do Brasil e a Força Aérea Brasileira, por meio do CLA, também orientam os pescadores das vilas próximas, bem como os navios que transitam no porto, sobre a existência da operação. Toda e qualquer atividade relacionada ao lançamento (manuseio do lançador, preparação, montagem e testes do veículo, bem como seu lançamento) é executada de acordo com normas internacionais de segurança, como descrito no Manual de Segurança Operacional do Centro e com planos de emergência associados”, pontuou o Diretor do CLA.

Além do IAE, outros institutos do DCTA também foram envolvidos na missão, como o Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), responsável pela análise da conformidade do veículo às regras de operação definidas pelo Regulamento Espacial Brasileiro, além da conferência de todos os elementos críticos do projeto, de modo a garantir a segurança operacional em solo e segurança de voo (trajetória e dispersão do ponto de impacto) sem a ocorrência de danos.

“Estamos diante de uma oportunidade ímpar, pois essa missão promove o desenvolvimento técnico e operacional das equipes envolvidas no que tange à tecnologia de propulsão híbrida, avaliação do desempenho em voo do SISNAV e sistemas de rastreio, transmissão e recebimento de dados. Dessa forma, fortalecemos o Programa Espacial Brasileiro, mostrando ao mundo a capacidade do Brasil de desenvolver tecnologias aeroespaciais, valorizando a indústria nacional”, concluiu o Coordenador Geral da Operação, Coronel Aviador Rodrigo José Fontes de Almeida.

Fonte | Fotos: DCTA / Agência Força Aérea