News

Escoteiro do Rio de Janeiro é condecorado com a Medalha Marechal Mascarenhas de Moraes

Escoteiros de Irajá participam de troca de guarda do Monumento aos Pracinhas

AECB Brasília realiza homenagem a veteranos da FEB

Militares do Comando Militar do Norte fortalecem o preparo em Operações Aeromóveis

Tropa do Exército Brasileiro se prepara para atividade internacional

Operações Interagências: saiba como é atuação da Marinha com outros órgãos

Condor apresenta tecnologias inteligentes durante a LAAD 2023 e anuncia o primeiro Instituto de Ciência e Tecnologia para não letais da América Latina

Saturday, 02 de March de 2024
Home » Força Aérea » Unidades aéreas que atuam na fronteira amazônica do Brasil completam 20 anos

Unidades aéreas que atuam na fronteira amazônica do Brasil completam 20 anos

Força Aérea
Por

 Unidades na Amazonia

Os Esquadrões Grifo (2°/3º GAV) e Escorpião (1º/3º GAV) completaram, ambos no dia 28 de setembro, duas décadas de atuação nas atividades de defesa aérea nas regiões amazônica e de fronteiras do Norte do País. Ambos os esquadrões operam aeronaves A-29 Super Tucano e, juntos, já voaram mais de 92 mil horas de voo. Eles possuem uma história comum: foram criados a partir de uma necessidade crescente de defesa naquela região, que se intensificou nos anos 90.

O Esquadrão Grifo (na foto à cima), sediado em Porto Velho (RO), se transformou em uma unidade de caça em 2001, quando passou a ser subordinada à Terceira Força Aérea (III FAE), operando, à época, as aeronaves AT-27 Tucano. Além de cuidar da defesa aérea da região oeste da Amazônia, o Grifo também é responsável pela formação de líderes de esquadrilha de caça. Nesses 20 anos de história, o esquadrão formou mais de 80 líderes. “Todos os homens e mulheres do efetivo sentem-se honrados em compor uma equipe de sucesso, dedicada à sua missão, e que completa sua segunda década de vida com a certeza do dever cumprido”, afirma o Tenente-Coronel Eduardo Alexandre Bacelar, Comandante do Esquadrão.

O Escorpião (na foto à baixo), sediado em Boa Vista (RR), é responsável pela soberania do espaço aéreo brasileiro na região norte da Amazônia. O nome completo do esquadrão, Xapori dos Escorpiões, deriva da expressão tupi-guaranija-pori, que significa “reunião do povo”. Essa foi a primeira unidade de defesa aérea implantada no Hemisfério Norte. Segundo o Comandante do Escorpião, Tenente-Coronel Leonardo Venancio Mangrich, os desafios de se operar na região norte foram superados diariamente nessas duas décadas pela busca do aperfeiçoamento. “Apesar da distância dos grandes centros ou da complexidade dos deslocamentos, nunca houve quaisquer impedimentos para que mantivéssemos cravadas, no Hemisfério Norte, as garras da Força Aérea Brasileira”, afirmou.

Unidades na Amazonia.2

Formação dos pilotos de caça

O Esquadrão Joker (2º/5ºGAV) celebrou, na quinta-feira (17/09), seu 62º aniversário. A unidade, sediada na Base Aérea de Natal (BANT), foi criada em 1953 para formar os pilotos de caça da FAB. É para lá que vão todos os Aspirantes-a-oficial do quadro de aviadores que optam pela aviação de caça, após a conclusão da Academia da Força Aérea (AFA).

 Neste ano, estão em formação no Joker 28 pilotos, sendo dois deles da Força Aérea Portuguesa, pois aquele país já assinou uma carta de intenção de compra com a Embraer para a aquisição de aeronaves A-29 Super Tucano, as mesmas usadas no Joker. A formatura dos futuros caçadores deve acontecer em 10 de dezembro. Além de formar os novos pilotos, o Esquadrão também cumpre missões de Alerta de Defesa Aérea, mantendo aviões e pilotos preparados para decolar em caso de necessidade, 24 horas por dia.

Veja o treinamento realizado pelos esquadrões que operam o A-29 Super Tucano:

[vsw id=”ipPfv9igAv0″ source=”youtube” width=”790″ height=”500″ autoplay=”no”]

Fonte | Fotos: cecomsaer