News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Thursday, 13 de June de 2024
Home » Força Aérea » Unidades da FAB aprimoram técnicas de defesa antiaérea em Anápolis (GO)

Unidades da FAB aprimoram técnicas de defesa antiaérea em Anápolis (GO)

Força Aérea
Por

Un defesa antiaérea da FAB.4

Novas técnicas e táticas de defesa antiaérea estão sendo treinadas durante o Exercício Operacional BVR-1, realizado na Base Aérea de Anápolis (BAAN), a 120 km de Brasília (DF). O sistema de defesa empregado é composto por cerca de 70 militares, ligados ao Primeiro Grupo de Defesa Antiaérea (1º GDAAE), sediado em Canoas (RS); Segundo Grupo de Defesa Antiaérea (2º GDAAE), localizado em Manaus (AM); Núcleo do Terceiro Grupo de Defesa Antiaérea (Nu3GDAAE), de Anápolis (GO);  e Núcleo de Brigada de Defesa Antiaérea (NuBDAAE), da capital federal.

Un defesa antiaérea da FAB

Tudo ocorre num cenário de combate simulado. Aeronaves A-29 supostamente de países inimigos, realizam ataques a pontos sensíveis de interesse da Aeronáutica, utilizando diferentes perfis de bombardeios. Para proteger essas instalações, os grupos de defesa antiaérea adotaram um novo posicionamento das equipes de atiradores para o disparo do míssil Igla-S em eixos estratégicos, dificultando o lançamento de bombas e a aproximação da aeronave inimiga. “O dispositivo de distribuição das unidades de tiro é feito de forma que a defesa antiaérea atinja a máxima eficácia, frente às diversas técnicas empregadas pelos vetores hostis”, explica o Major Antônio Fernandes, Chefe da Seção de Operações e Doutrina do NuBDAAE.

Un defesa antiaérea da FAB.2

Treinamento

Todas as equipes de defesa antiaérea em treinamento manuseiam o Subsistema de Armas Antiaérea Igla-S, com o qual é possível estimar o tamanho do alvo e a distância do vetor inimigo. Também são aprimoradas as ações de comando e controle do Centro de Operações Antiaéreas (COAAE), que inclui a rede de comunicação e o radar SABER M-60, além da equipe de logística. De acordo com a performance do míssil e do desempenho da aeronave de combate, um relatório é emitido para avaliar os militares em treinamento, tanto os atiradores quanto os pilotos de caça.

Segundo o Comandante-Geral de Operações Aéreas, Tenente-Brigadeiro do Ar Gerson Nogueira Machado de Oliveira, o envolvimento da defesa aérea e antiaérea traz crescimento para a Força Aérea Brasileira. “O entrosamento entre eles é benéfico para o aprimoramento das técnicas. Uma interação que a gente pode verificar realmente a proficiência dos dois lados,” acrescenta o oficial-general.

Un defesa antiaérea da FAB.3

Esse tipo de treinamento serve também para aprimorar as técnicas e melhorar o desempenho das unidades que serão empregadas futuramente na defesa antiaérea de pontos estratégicos durante grandes eventos, como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos que acontecerão no Rio de Janeiro em 2016.

Simulador 

Implantado desde fevereiro deste ano no Nu3GDAAE, o simulador Konus permite treinar os militares para o manuseio do Igla-S. Uma demonstração do funcionamento do aparelho foi apresentada para o Comandante do COMGAR, que visitou a operação BVR, juntamente com uma comitiva da Terceira Força Aérea (III FAE), unidade que gerencia os esquadrões da aviação de caça e de reconhecimento da FAB. Durante a BVR-1, militares da unidade são treinados pelo 2º GDAAE, sediado em Manaus (AM), que já possui o simulador. “A experiência contribuirá na formação operacional do futuro grupo de defesa antiaérea que vai ser ativado em Anápolis”, afirma Major Fernandes.

Un defesa antiaérea da FAB.5

De origem russa, o simulador Konus tem uma tela de projeção onde são simulados inúmeros cenários em ambientes diversos, utilizando um sistema computadorizado que gera relatórios de eficiência dos atiradores. Aumentando a realidade dos treinamentos, o “míssil” do simulador e o mecanismo de lançamento juntos somam 18,25kg, o mesmo peso do equipamento real.

Fonte | Fotos: cecomsaer