News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Monday, 17 de June de 2024
Home » Internacional » Estado Islâmico pede que apoiadores matem 100 militares nos EUA

Estado Islâmico pede que apoiadores matem 100 militares nos EUA

Diversos
Por

Os jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) vêm exibindo uma variedade impressionante de armas. Muitas foram capturadas do próprio exército iraquiano.

O Estado Islâmico publicou na internet o que diz serem os nomes, fotos e endereços nos EUA de 100 militares norte-americanos e pediu que seus “irmãos residentes na América” os matem. O Pentágono disse, depois que a informação foi publicada na internet, que está investigando o assunto.

“Nós não podemos confirmar a veracidade da informação, mas estamos analisando o assunto”, disse neste sábado (21) um oficial da defesa norte-americana, falando sob condição de anonimato. “Nós sempre estimulamos nossas equipes a adotarem a adequada segurança de operação e os procedimentos de proteção contra ataques”, disse o oficial.

Na postagem, o grupo que se denomina “Divisão de Hackers do Estado Islâmico” escreveu em inglês que havia invadido diversos servidores, bancos de dados e e-mails de militares e tornado públicas informações sobre 100 membros das forças armadas norte-americanas para que “lobos solitários” pudessem matá-los.

O jornal “The New York Times” disse que a informação não parecia ter sido obtida em servidores do governo dos EUA e citou uma fonte anônima do Departamento de Defesa que disse que a maior parte dessas informações poderia ser encontrada em registro públicos, mídias sociais e sites de busca de endereços.

Fonte | Fotos: g1