News

Forças Armadas e sociedade civil transportam 3,6 mil toneladas de donativos ao Rio Grande do Sul na maior campanha humanitária já registrada no país

Embraer e FAB colaboram com logística e doações para o Rio Grande do Sul

P-3AM Orion faz primeiro voo com novas asas

ABIMDE coordenou empresas brasileiras na Defence Service Asia 2024

KC-390 Millennium transporta Hospital de Campanha da FAB para Canoas

Hospital de Campanha da Marinha inicia atendimentos no RS nesta quinta-feira (9)

Exército instala Hospital de Campanha para apoio de saúde à população no Rio Grande do Sul

Thursday, 20 de June de 2024
Home » Internacional » Serviço secreto alemão espionou países aliados, diz imprensa alemã

Serviço secreto alemão espionou países aliados, diz imprensa alemã

Diversos
Por

BND_Logo_2010

O serviço secreto alemão espionou vários países aliados como os Estados Unidos e a França por iniciativa própria, afirma a notícia vinculada em toda imprensa germânica nesta quinta-feira (15). O Serviço Federal de Inteligência (BND na sigla em alemão) foi acusado recentemente de ter espionado autoridades francesas e europeias a pedido da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos. O BND espionou, desta vez por iniciativa própria, várias embaixadas e administrações “de países europeus e aliados”, em particular da França e Estados Unidos, o que não faz parte de sua competência.

O BND utilizou os próprios “seletores” (palavras chave, nomes, números de telefone ou de cartões de crédito, etc) e também os que a NSA havia repassado, informaram a rádio RBB e o site da revista Der Spiegel. A prática durou vários anos e terminou em 2013, segundo a imprensa, um comissão parlamentar de controle das práticas de espionagem organizará uma audiência na próxima semana para interrogar vários agentes do BND. Em 2013, a revelação de que o telefone da chanceler Angela Merkel havia sido grampeado provocou tensão entre Alemanha e Estados Unidos. “Espionar os amigos é totalmente inaceitável”, afirmou na época Angela Merkel, e a justiça alemã iniciou uma investigação, que foi arquivada em junho.

Fonte | Fotos: afp