• RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Internacional

Reino Unido quer reduzir os custos operacionais do Typhoon para o nível do F-16

Por Redação      |     24/07/2017 às 13:50

Conhecido como esforço de disponibilidade total do Typhoon, ou Tytan, o novo acordo de 10 anos entre a RAF e os parceiros da indústria, BAE Systems e Leonardo, deverá reduzir o custo operacional do Typhoon por hora em 30-40%. Isso deve equivaler a uma economia de pelo menos £ 550 milhões (US$ 712 milhões), que “serão reciclados para o programa”, de acordo com o diretor-gerente da BAE Systems Military Air & Information, Chris Boardman.

Introduzido há um ano nas bases RAF Coningsby em Lincolnshire e RAF Lossiemouth na Escócia, o framework Tytan já está entregando economia e atraindo interesse “fenomenal” de outros programas, incluindo o F-35 da Lockheed Martin, diz Boardman. Seu objetivo é que a iniciativa acabe por resultar no Typhoon com um custo operacional por hora “equivalente a um Lockheed F-16”.

“Você não pode reduzir custos usando o mesmo sistema”, diz Boardman. “Precisamos conseguir mais por menos se avançarmos”.

As iniciativas específicas do Reino Unido já introduzidas através do contrato Tytan incluem o aumento dos intervalos entre as principais atividades de manutenção programadas, o que aumentará a disponibilidade da aeronave e reduzirá os custos de reparação. A manutenção profunda inicialmente agendada após cada 400 horas de voo foi previamente estendida para um intervalo de 500h, e espera-se que seja esticado até 750h.

Agora, em um estágio avançado de avaliação antes de serem adotadas, as “mudanças fundamentais” irão “impedir que as coisas sejam separadas, as partes serem consumidas e o tempo das pessoas sendo consumido na atividade de manutenção que não é necessário no regime atual”, diz Boardman. Isso envolverá a indústria assumindo “mais risco e responsabilidade” nos intervalos de serviço necessários e no pedido de peças, acrescenta. A BAE já embarcou num modelo similar com a Royal Saudi Air Force, ele observa.

“Vamos levar essa economia e investir para manter a aeronave relevante zté 2040”, disse Boardman no Royal International Air Tattoo na RAF Fairford em Gloucestershire, em 14 de julho.

Enquanto isso, os aprimoramentos de capacidade não ligados à atividade da Tytan estão perto da disponibilidade em esquadrões operacionais, diz o comandante da Força RAF Typhoon, Air commodore Ian Duguid. O padrão de software Phase 2 Enhancement (P2E) do avião já está em testes com a unidade de avaliação e teste 41 Sqn, e estará disponível para a linha de frente no início de 2018, diz ele. Um padrão P3E subsequente seguirá no próximo ano.

Phase 2 Enhancement (P2Ea) Typhoon
As principais atualizações incluem capacidade adicional de armas, com o míssil ar-superfície Brimstone da MBDA — que teve um primeiro disparo de sucesso de um Eurofighter em 13 de julho — míssil de cruzeiro Storm Shadow e mísseis ar-ar Meteor além de alcance visual .

Sob um projeto associado chamado Centurion, a RAF trará recursos de ataque com Brimstone e Storm Shadow para o Typhoon antes da aposentadoria do Panavia Tornado GR4, no início de 2019.

Duguid diz que os Typhoons da RAF já voaram mais de 900 missões contra militantes do Estado Islâmico no Iraque e na Síria, inclusive trabalhando em conjunto com seus Tornado GR4s. Ambos os tipos estão operando apartir da RAF Akrotiri no Chipre como parte da contribuição da Operação Shader do Reino Unido para uma coalizão liderada pelos EUA.

Os cinco esquadrões do Typhoon da primeira linha da RAF estiveram envolvidos desde que as operações começaram em dezembro de 2015 e Duguid observa: “Nenhuma missão foi perdida devido a problemas técnicos”.

A força do Typhoon da RAF deve ser aumentada com a adição de dois esquadrões adicionais — em Coningsby e Lossiemouth — que estarão equipados com caças padrão de produção Tranche 1. Anteriormente ameaçados de aposentadoria, pelo menos 24 dos jatos serão mantidos em uso até 2030.

Embora uma decisão final ainda não tenha sido alcançada, as operações com as aeronaves Tranche 1 provavelmente serão dedicadas às missões ar-ar, como Quick Reaction Alert, enquanto eles também podem apoiar atividades de treinamento, atuando em um papel de agressor . Atualmente, o Reino Unido não possui financiamento para permitir que as aeronaves iniciais de produção levem mísseis Meteor, então continuarão a operar com o AIM-120 AMRAAM da Raytheon.

Duguid diz que 10 Typhoon Tranche 3 estão agora operacionais com esquadrões da RAF, com o serviço que já tendo recebido exemplares adicionais que foram colocados em armazenamento temporário.

Em um novo impulso para a força Typhoon da RAF, o ministro da Defesa, Sir Michael Fallon, anunciou a assinatura de um contrato de 40 milhões de libras esterlinas que atualizará o equipamento do subsistema de auxílio defensivo do tipo nos próximos dois anos. A atualização “proporcionará uma proteção ainda mais forte contra a evolução das ameaças ar-ar e superfície-ar”, diz ele.

E, no âmbito de um acordo no valor de 9,5 milhões de libras esterlinas, a Qinetiq permitirá que os simuladores das duas bases de operação do Typhoon da RAF sejam vinculados ao Air Battlespace Training Center da RAF Waddington em Lincolnshire, com “10 semanas de treinamento de batalha simulada por ano”.

FONTE: Flightglobal.com

, , , , , ,

Recomendados para você

Comentários

GALERIA

Campeonato de salto do Exército Brasileiro

Festa da Cavalaria do CML

4ª edição da “Coluna da Vitória”

©Copyright 2017 - Comandos Editorial. Todos os direitos reservados.

É expressamente proíbida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sendo os infratores indiciados com base na Lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Operacional Magazine: proud to be Brazilian.